sexta-feira, 8 de junho de 2012

Estudo mostra que 4,7% das ruas do país têm rampa para cadeirante



A manicure Marta Neves Dias, 25, sente na pele o que é a falta de acessibilidade. Cadeirante, encontra uma rampa ainda no quarteirão de casa, no Jardim Iguatemi, em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo).
Mas só até virar a esquina. Depois, faltam rampas e sobram calçadas desniveladas, lixeiras e vasos. "Já caí muitas vezes na rua, indo para a escola, para a padaria."
Como Marta constata na prática, apenas 12,6% das ruas de Ribeirão Preto contam com rampas para cadeirante.
É o que revelou nesta sexta-feira (25) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), com base em dados do Censo 2010.





Apesar de Ribeirão Preto estar acima da média nacional --apenas 4,7% das ruas possuem rampas--, municípios de maior porte já conseguiram avançar mais na acessibilidade. Porto Alegre, por exemplo, criou rampas em 23,3% das ruas.
Como Marta, Sandro Franceschini, vice-presidente do Comppid, o conselho da pessoa com deficiência, diz que não há lugar em Ribeirão considerado modelo.
"E, desses 12% de rampas, muitas estão mal cuidadas e fora do padrão", disse.

Em nota, a prefeitura informou que há 3.500 rampas na cidade, que começaram a ser instaladas em 1996. Há exigência pelo município de que novos loteamentos e condomínios já criem rampas, assim como é feito com vias de obras públicas.
Está aprovado pelo governo estadual, diz a nota, projeto para 1.300 rampas em todos os cruzamentos centrais.

REGIÃO

A situação, porém, é ainda pior na região. Em cinco cidades --Cássia dos Coqueiros, Santa Ernestina, Santa Lúcia, Taiaçú e Terra Roxa-- não há uma rampa sequer para cadeirantes.
O melhor cenário na região é o de Motuca, cidade de 4.290 habitantes. Em seus cerca de 100 quarteirões, há rampas em 53,9% das ruas.
Segundo o prefeito José Ricardo Fascineli (PT), o trabalho de criar rampas começou nas gestões passadas, há oito anos. Ainda assim, diz, muitas estão fora do padrão e, por isso, a atual administração tem corrigido falhas.

Nenhum comentário: