domingo, 2 de outubro de 2011

Livros vivos


 

Uma biblioteca sem livros, mas com muitas pessoas, experiências de vida, pontos de vista e histórias.
É essa a proposta da Human Library, um projeto criado há 10 anos, na Dinamarca, por um grupo de jovens da ONG Stop the Violence.
A idéia é simples: eles criaram uma biblioteca com um catálogo de pessoas disponíveis para conversar por alguns minutos com leitores dispostos a ouvir e a enfrentar os próprios preconceitos. São os chamados livros vivos.
São cegos, ex-presidiários, imigrantes, muçulmanos e outras pessoas que, por causa dos estereótipos, sofrem com a discriminação e o preconceito.
“Porque você usa o véu?”, “O que levou você a cometer um crime?”. O leitor pergunta, o livro responde e se estabelece um diálogo, que pode ser o primeiro passo em direção a uma sociedade mais tolerante.
Os livros vivos são voluntários e a biblioteca é móvel, pode ser organizada por algumas horas em bibliotecas públicas, escolas e instituições.
Da Eslovênia ao Japão, do Canadá à Turquia, a Human Library já se espalhou por mais de 20 países e foi reconhecida pelo Conselho da Europa como um instrumento de promoção dos direitos humanos.
“As pessoas são diferentes e não precisam mudar. É preciso apenas respeitar o outro. Muitas vezes a discriminação ocorre devido à falta de conhecimento. Nós vivemos em uma época em que precisamos de diálogo. Só com o diálogo poderemos ter mais compreensão, tolerância e paz”, afirma um voluntário do projeto.

Fonte: Revista Vida Simples / Library Journal / Time To Change / Human Library

Nenhum comentário: