terça-feira, 11 de outubro de 2011

Casal cria ONG que incentiva a adoção tardia e especial


 

Carla Penteado, 37 anos, e Marcelo Barreto, 43 anos, tem uma família muito especial. E essa família foi formada com muito carinho e dedicação.
Marcela, 8 anos, é a primeira filha que eles adotaram. Foi abandonada ainda bebê com paralisia cerebral e autismo. As funcionárias da instituição que Marcela estava, em Aracaju (SE), diziam que ela não reagia a nada e se espantaram quando ela chorou no colo de Carla, que estava fazendo um trabalho voluntário no lugar.
A mãe se encantou com a filha e ali mesmo começou a história dos três. Depois, o casal adotou outras três meninas que fogem do perfil comum: Luana, 3 anos, com síndrome de Down; Rafaela, 3 meses, hidrocefalia; e Nadine, 18 anos, por adoção tardia.
O acaso desse primeiro encontro com Marcela e o sucesso da adoção fez os dois perceberem que é possível e maravilhoso adotar crianças especiais, que muitas vezes vivem anos em abrigos por não encontrar pais dispostos a esse tipo de adoção.
E foi assim que eles criaram não só uma bela família, mas também uma ONG para apoiar e incentivar a adoção tardia ou de crianças com deficiência.
É a ATÉ (Adoção Tardia e Especial), que em quatro anos já direcionou 50 delas para adoção e tem em seu cadastro 60 pessoas prontas para adotar crianças com este perfil.
O Cadastro da ONG é muito mais específico que o Cadastro Nacional de Adoção. Ao invés dos pretendentes informarem apenas se aceitam doença tratável ou crônica, por exemplo, na ATÉ eles podem informar se querem a adoção de uma criança com diabetes, hepatite, Down, etc. E assim, tudo fica mais fácil para a criança e para os novos pais.
“Adoção é um ato de querer amar. Quando vi aquele bebê molinho, abracei, beijei. Era o meu filho que esperava por mim. Ele é muito feliz. E ri, ri muito de felicidade”, afirma a advogada Fabiana Campos, que deixou um bebê com síndrome de Down, que não carregou no ventre, invadir com todo amor do mundo sua vida.

Fonte: Folha de S. Paulo / Revista Pais e Filhos / Correio Braziliense / Mais Você

Nenhum comentário: