quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A educação

"Educação
O maior desafio do Brasil do presente

e do futuro, o impulso objetivo para a

redenção nacional...
"
Arnaldo Niskier

 
Hannah Arendt (1), ao apontar aquilo que ela determina como a crise da educação mundial, destaca: "Uma crise só se torna um desastre, quando respondemos a ela com juízos pré-formados, isto é, com preconceitos" (2). Se tomarmos este viés, fica claro que como esta colocada à educação no Brasil, sem entrarmos nos trâmites das diferenças que se põem nos projetos que a concebem, perceberemos que a discussão não parte sobre aquilo que possa ser determinantemente novo, mas de como o que já esta concebido, deve ser melhor aplicado.
Se "... a essência da educação é a natalidade, o fato de que seres nascem para o mundo. " (3), é a consciência que imputa à criança o status do novo, através da educação, quando esta está voltada a política (reconhecida naquilo que concebemos como projeto do Estado), de novo nada oferece, somente a perpetuação daquilo que já existe, através de uma doutrinação no mínimo tirânica (4).
 
Arnaldo Niskier ao tratar a educação no Brasil, não esta pensando sobre a concepção da mesma, pois esta já esta dada: "A educação científica é a educação do futuro" (5). Não é a discussão sobre a mesma, mais que formas ela deva ser aplicada a determinado fim. A educação esta voltada inteiramente ao progresso tecnológico de nossa civilização e o país que neste quadro não se inserir estará condenando a si e a seus cidadãos ao fracasso e a miséria. 
Daí percebermos que o novo, aí colocado, é a tecnologia e não a educação em si. É preciso inserir as crianças em um sistema de aprendizado que não tem ligação com o desenvolvimento intelectual, apenas técnico, na medida em que a educação deve voltar-se para preparação e qualificação da mão de obra do "futuro".
 
Se a tecnologia é o novo, a qualificação da mão de obra esta presa a uma concepção muito mais antiga, ainda inserida no projeto de Estado e que remonta a introdução das indústrias automobilísticas no Brasil dos anos 50 e 60. "Estamos de olhos postos no século XXI e imaginando as transformações que deverão ocorrer no campo da educação. Passaremos da Era Industrial para a Sociedade da Informação - e isso não se faz sem profundas mudanças" (6)
Perceba que a condição de novo esta dada pela tecnologia e as mudanças da educação pensada a partir desta e não a partir do indivíduo, pois o destino deste já está sacralizado; engrenagem que movimenta a máquina, mais que antes foi preciso alimenta-lo das habilidades específicas necessárias. O que há de novo nisto?
A tecnologia já esta colocada desde a invenção das máquinas de tecer a vapor. A incorporação do indivíduo ao processo de produção é muito mais antiga ainda. O que a sociedade da informação, determinada como globalizada clama para si é a proximidade relativa dos indivíduos que se comunicam com o mundo todo ao simples toque de um teclado, e a grande vedete do mundo moderno é a capacidade de se informar mais em menos tempo. Mas daí temos uma relação no mínimo, muito estranha. O indivíduo capacitado a sua performance no mundo globalizado, como parte da engrenagem, está sendo alimentado pelas milhares de informações despejadas pela globalização. No entanto, como este indivíduo a pensa? Exatamente como parte da engrenagem. Daí o indivíduo é preparado à nova sociedade somente sob um aspecto, e por mais absurdo que pareça, o da doutrinação, que se olharmos, esteve ligada a sua educação.
A educação pensada por Niskier desenvolveu meios para pensar este mundo tido como novo? Não! Apenas assim o adjetivou; demonstrou como o indivíduo deve se encaixar nele de forma a retro-alimenta-lo. É a reprodução de si mesmo em diferentes meios, neste caso dado pela tecnologia, já percebida que se instrumentada aos indivíduos através da educação, é tida como redentora das nações. Segundo o autor:
"Devemos estar preparados, como os norte americanos, para um ambiente de contínua aprendizagem. Treinamento e retreinamento são políticas hoje essenciais ao país, razão que torna a modalidade nascente entre nós de "educação a distância", amplamente aconselhável. ...e será talvez a maior inovação da educação brasileira no início do terceiro milênio, pois poderá se valer de recursos de extraordinário alcance, como é o caso do satélite doméstico de telecomunicações." (7)
"O mecanismo a ser estabelecido (a educação a distância) poderá ser útil na educação especial e certamente terá uma prioridade inescapável: pensar a formação e o treinamento de professores e especialistas, nossa prioridade nº 1." (8)
Se por um acaso, na citação acima, nós trocássemos a palavra educação por capacitação técnica, perceberíamos que o sentido da frase, do conteúdo e finalidade das idéias não se alteraria; gostaria de lembrar que, ensino a distância no Brasil não é algo novo, e que o Instituto Universal Brasileiro já o faz há muito tempo; a única diferença são os meios.
Na segunda citação, note que a concepção de educação quando alcança os patamares do ensino universitário, também deve estar voltada as finalidades anteriormente estabelecidas. A formação universitária deve capacitar os profissionais a ensinar ou reproduzir a educação voltada ao mercado de trabalho. Umas das mais inquietadoras citações do livro são as referentes ao ensino superior, que como dito anteriormente, possui sua função. Vejamos como o autor observa o que seria a salvação contra a desvalorização crescente da pós-graduação no Brasil.
"As pesquisas devem existir e se ligar ao setor produtivo. Assim haverá melhores resultados e não se justificará qualquer corte de verbas que sacrifique esse esforço fundamental." (9)
Gostaria de perguntar ao autor sobre a pós-graduação das Ciências Humanas. Deveriam deixar de existir já que dificilmente se encaixam no setor produtivo?
Esta concepção sobre a educação não é exclusiva de Niskier e um dos maiores defensores sobre este modelo voltado para a tecnicidade necessária ao mercado e que deve buscar favorecer e inserir os menos favorecidos na sociedade de formas mais satisfatórias é Darcy Ribeiro, um dos autores da lei que estabeleceu os cursos seqüenciais universitários que busca poder abranger um maior número de pessoas e capacita-las ao setor produtivo.
 
É lógico que a discussão é muito mais abrangente e o buraco um pouco mais abaixo no que diz relação aos cursos seqüenciais, pois o que percebemos é que estes tipos de curso estão se alastrando pelo país, mas por via das universidades particulares que prezam muito mais a conta corrente do aluno do que sua formação, o que afirmo sem a mínima demagogia, e não estou passando pela questão da qualidade, pois como já observado por J. M. Azanha em "Democratização do Ensino: Vicissitudes da Idéia no Ensino Paulista", esta discussão sobre qualidade é muito perigosa, pois poderíamos incorrer no perigo de querer nivelar todo o ensino com base em uma educação oferecida a muitos poucos ou aqueles únicos que podem pagar por ela. 
A finalidade dos cursos seqüenciais não é atingida subvertendo sua aplicação, servindo até o momento apenas para captação de dinheiro para as escolas de ensino superior privadas, usando-se da propaganda de um curso rápido e de nível universitário. Perfeito para a demanda da sociedade moderna e globalizada de Niskier. Produto embalado e pronto para a venda que possui apenas um inconveniente: o termo Educação na embalagem.
 
Conclusão
Minha idéia neste trabalho não foi determinar o certo ou errado nestes conceitos, mesmo que não conseguindo escapar a algumas observações que provocadamente se fizeram necessárias, mas tentar perceber o conceito de educação ali envolvido e de como a partir deste, os modelos se desenvolvem e se contradizem. Contradizem-se porque no âmago, a formação do indivíduo esta pensada para a finalidade do mercado produtivo e não de auxilia-lo a desenvolver meios para pensar este. Não cria algo de novo, excetuando-se os meios, mas que apenas reproduz a si mesmo, por meio de uma concepção que confere a educação à função de redentora das mazelas do país.
Acredito que a capacitação técnica seja necessária, pois não há como desta se eximir, visto que estamos inseridos "até o cabelo" neste modelo; entretanto, precisamos discutir o conceito de educação utilizado em nosso país. Qual sua finalidade?
Se realmente for apenas a capacitação e a inserção menos incomoda do cidadão na sociedade, engrenagem do sistema produtivo, então me calo. Mas se educação como à concebo, está direcionada ao pensamento, a sua transmissão através de uma das coisas mais simples do homem, mais que tanto vem se colocando de lado, o da relação, já tão gritante em Vigotsky, não há como se calar. É preciso que estejamos repensando, como educadores que somos, o que queremos da educação e a partir daí colaborar para que aquilo que acreditamos como o necessário, sem sistema, sem produção, sem inserção ao mercado, apenas a relação do homem consigo mesmo e a partir daí, seu mundo, sempre repensando-o. 


FONTE: http://www.klepsidra.net/klepsidra12/arnaldoniskier.html

Nenhum comentário: