segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Corte na despesa pública não cobre nem um quarto do desvio orçamental



<p>Vítor Gaspar anuniou ontem a antecipação do aumento do IVA sobre a electricidade e o gás</p> Vítor Gaspar anuniou ontem a antecipação do aumento do IVA sobre a electricidade e o gás
 (Daniel Rocha)
Os cortes na despesa pública não vão cobrir nem um quarto do desvio orçamental de 1,9 mil milhões de euros. Apesar de o Governo se ter comprometido em cobrir o “buraco” com medidas em partes iguais do lado da despesa e da receita, pouco mais de 300 milhões virão de cortes da primeira solução.


A repartição do esforço ficou esclarecida pela missão da troika, que ontem fez a primeira avaliação trimestral do programa de assistência externa.

A Comissão Europeia (CE) deu nota positiva à implementação das medidas de ajustamento orçamental, mas admitiu ontem que gostava de ter visto mais cortes do lado da despesa, como tinha prometido o executivo.

O desvio orçamental corresponde a 1,1 por cento do PIB. Cerca de 1530 milhões de euros do buraco serão tapados pelo imposto extraordinário equivalente a metade do subsídio de Natal, pela antecipação da subida do IVA da electricidade e do gás e pela transferência do fundo de pensões dos bancários.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, dizia ontem à noite, em entrevista à TVI, esperar que a subida dos impostos resolvesse metade do buraco.

À missão da CE, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional coube ainda anunciar que o Governo vai transferir para o Estado o fundo de pensões dos bancários de forma progressiva. Começará este ano e deverá estar concluída no próximo. O impacto orçamental em 2012 ainda não é conhecido.

Leia mais na edição de hoje do PÚBLICO e na edição digital exclusiva para assinantes.


FONTE: http://economia.publico.pt/Noticia/corte-na-despesa-publica-nao-cobre-nem-um-quarto-do-desvio-orcamental_1507539

Nenhum comentário: