quinta-feira, 2 de junho de 2011

Patrimônio Histórico

Por João Carlos Vicente Ferreira


Júlio Rocha
O prédio do antigo Thesouro do Estado hoje abriga o Museu Histórico de Mato Grosso

Para organização das cidades brasileiras nos tempos coloniais, havia sempre um plano elaborado em Portugal. Isso aconteceu também em Mato Grosso, para fundação da sua antiga cidade capital, Vila Bela da Santíssima Trindade, em 1752. Ela era a sede da nova Capitania de Mato Grosso, desmembrada de São Paulo, por ordem do Rei de Portugal. 

Cuiabá, onde mais tarde se instalou definitivamente a capital, não tivera um plano prévio para sua implantação e desenvolvimento. A ocupação do solo foi acontecendo, até que um Ouvidor Geral tivera a preocupação de cuidar que as edificações fossem construídas lado a lado, obedecendo a normas das cidades européias, para evitar o desalinhamento das suas ruas. 

Como todo aglomerado urbano, também na região de Mato Grosso cresceu Cuiabá, com sua história pontilhada de feitos que enriqueceram e ainda enriquecem a historiografia brasileira. A exemplo do que ocorreu em Cuiabá, outras cidades mato-grossenses surgiram com a mesma compleição arquitetônica, ou seja, sem um plano elaborado em suas ocupações. 

Vivendo dentro de abrigos rústicos, desde as mais simples choupanas cobertas de capim, seus habitantes foram evoluindo com a chegada de novos conhecimentos construtivos. Sua arquitetura acompanhou esse passo a passo, crescendo como os demais arraiais, vilas e cidades, as futuras metrópoles brasileiras. 

A arquitetura de Cuiabá sofreu transformações com o decorrer do tempo, porque a evolução tecnológica cuidou para isso acontecesse. 

No século XVIII, quando Cuiabá foi fundada, ainda bem no início, suas construções paupérrimas foram ingressando pouco a pouco no estilo colonial português. Seus primeiros povoadores construíam de modo definitivo, usando o modelo construtivo que os bandeirantes paulistas trouxeram. Assim, tiveram as primeiras casas e capelas construídas de pau-a-pique, cobertas de palha ou capim e, depois, de grossas paredes de taipa de pilão e adobes. 

Os costumes, nesse caminhar dos tempos, modificavam a aparência das edificações, tanto interna como externamente, sempre com a natural impressão de buscar a modernidade do seu tempo. 

Nos tempos de Brasil Colônia, Cuiabá, que no início vivia intensamente da mineração do ouro, teve sua economia mudada pela escassez desse mineral. Não teve a mesma sorte das cidades mineiras, como Ouro Preto, São João del Rey e outras mais, cuja mineração venceu séculos. Assim, os cuiabanos não desenvolveram a arquitetura barroca como naquelas cidades, ficando na simplicidade apenas dos casarões senhoriais e sobrados. 

Com essa arquitetura, a cidade passou o século XVIII e entrou no XIX. Distintos exemplares ainda chegaram até os presentes dias, enriquecendo o patrimônio histórico com seus beirais avançados, as rótulas, janelas guilhotinas e outros detalhes da sua arquitetura setecentista.
No século XIX, alguns fatores exerceram sua influência na vida do povo e alteraram o rumo da arquitetura local, são eles:
            - A nova economia da região transformou a vivência dos senhores coronéis, criadores de gados, usineiros de açúcar, comerciantes e outros importantes da Província;
            - A Vila, que caminhava voltada para o Pelourinho, com seus Juízes, seus Ouvidores, suas Paróquias religiosas e seus Capitães-Generais, passava a assistir a lutas dos chefes políticos em busca do poder, em novos tempos;
            - A liberação da navegação pelo Rio Paraguai, após a guerra da Tríplice Aliança, devolveu a Cuiabá o dinamismo econômico, possibilitando a chegada de produtos estrangeiros com as novidades construtivas empregadas nos grandes centros urbanos;
            - A abolição da escravatura despojou os poderosos de seus comandos fáceis, mudando sua maneira de ser e de viver.
A arquitetura ganhava um novo comportamento, porque tinha que se adaptar a novos costumes da vida urbana. A vida doméstica não contava mais com a mão-de-obra sempre presente de escravos. Os mestres-de-obras europeus que chegavam, entusiasmaram, com suas novidades, os proprietários ricos que buscavam distinções, construindo as novas casas ou apenas transformando suas fachadas coloniais no estilo que conheciam muito bem. 

Era o uso dos novos materiais importados, principalmente o ferro e o vidro. Eram, também, o uso e costume de viver, diferentes dos tempos coloniais. Foi assim que Cuiabá recebeu o novo estilo arquitetônico, o neoclássico que predominou em todo o século XIX. Muitas residências foram construídas nesse estilo e muitas outras sofreram reformas para se adaptarem a ele. Era o modismo europeu renascentista e o gótico, estilos nacionais na Europa. Cuiabá, por imitação da França, ganhava sua igreja gótica - a igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho. Tinha-se na arquitetura uma associação de formas românticas. Nesse tempo, construíam-se jardins públicos com seus coretos graciosos, para a mudança do lazer da população. Alguns destes ainda existem. 

Os fatores citados foram agentes modificadores da vida dos habitantes. Outros mais vieram reforçar os primeiros, dando um sentido mais democrático à sociedade, pois, o que existia, realmente, era de um mundo aristocrático. 

O bonde a tração animal, por exemplo, do início do século XX, demonstrava isso, transportando toda classe social. O abastecimento d’água, a eletricidade, o transporte urbano por automóveis, o telefone, enfim, outros avanços da ciência contribuíram para aquela mudança histórica. 

A arquitetura cuiabana adaptava-se a eles, provocados pela revolução industrial que acontecia no mundo. Entretanto, continuava o ritmo mesclado de neoclassismo e romantismo. 

O acontecimento no Rio de Janeiro, em 1930, anunciando um novo estilo de arquitetura refletiu também em Cuiabá, despindo aos poucos as edificações de suas características renascentistas. Apareceram nas obras oficiais de Júlio Müller, a partir de 1939. Edificações particulares também acompanhavam estas novas modalidades construtivas, sem muita definição. 

Ensaiando em 1960, um novo movimento atingiu a arquitetura cuiabana. Desta feita, impulsionada pelo modernismo da arquitetura da capital do país, Brasília. Infelizmente, foi o princípio da mutilação e demolição do patrimônio arquitetônico e histórico de Cuiabá. 

Poucos exemplares antigos ainda existem; foram salvos pelo governo federal para testemunharem o passado local. O “velho” não resistiu a essa tendência do “novo” que condenava o “arcaico”, tido como sinônimo de feio. Assim, os casarões e sobrados antigos foram ao chão, encabeçados pela Igreja Matriz e pelo Palácio do Governo. Felizmente, em suas ruas, travessas e becos deixaram sobreviver alguns exemplares da velha arquitetura, testemunhas que ainda vivem para revelar passagem da história dos antepassados cuiabanos. 

Devíamos ter sempre na mente que compreendemos o presente olhando para o passado, pensando no futuro e preparando-nos para ele. 

Júlio Rocha
Redes e Viola de Cocho

Nenhum comentário: